Reforço da Democracia? – Devolvam as freguesias às populações

(Originalmente publicado no Jornal N de 28 de setembro de 2020)

Num momento em que tanto se fala sobre o crescimento dos extremismos, nomeadamente da extrema-direita, seria de esperar que se reforçassem os pilares da Democracia. No entanto, não se tem verificado o reforço destes pilares, assim como não se têm efetuado as reformas necessárias. A acrescentar, tem-se verificado que muitos partidos e figuras de relevo têm cedido ao populismo barato e demagogo que apenas contribuiu para a ridicularização da política.

Relativamente à ridicularização política, importa salientar que esta é perseguida religiosamente por uma parte da comunicação social nacional que tende a dar destaque ao circo que se faz em torno da política (geralmente com intenção de desviar as atenções) e não ao que realmente interessa. Chegando-se ao cúmulo de o tema político principal do dia ser o vestuário de deputados ou assessores, conforme se verificou no passado.

Voltando à Democracia, não se pode olvidar que um dos pilares que a sustenta é o envolvimento dos cidadãos na política, caso contrário esta pode tornar-se uma atividade de elite com interesses não condizentes com as reais necessidades das populações, levando a que surjam as democracias de fachada.

Continuar a ler Reforço da Democracia? – Devolvam as freguesias às populações

Novo artigo em ata: Open IoT technologies in the classroom – A case study on the student’s perception

Novo artigo publicado, desta nas atas da Conferência Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação intitulado “Open IoT technologies in the classroom – A case study on the student’s perception”

Abstract — The Internet of Things (IoT) has been perceived by several authors as a technology with a potential impact in educational contexts, highlighting the concept of hypersituation and its didactic potential. This paper presents the main results relating the student’s perception about an IoT based learning environment supported on an IoT device and a set of didactic guides. The IoT device was developed with low cost and open technology. Complementarily to the device development, a visual guidebook was created to facilitate the device construction by teachers and students, even if they do not have prior knowledge about the use of IoT technologies. Along with the device assembly guide, interdisciplinary didactic guides were also developed to be used in learning tasks. The results obtained demonstrate that teens involved in the study expressed a desire to continue to use the device in their classes and that it was a stimulating and facilitating factor for learning.

O Artigo pode ser consultado em: https://ieeexplore.ieee.org/abstract/document/9141106

Referência completa:

Moreira, F. T., Vairinhos, M., & Ramos, F. (2020). Open IoT technologies in the classroom – A case study on the student’s perception. Iberian Conference on Information Systems and Technologies, CISTI, 2020June. https://doi.org/10.23919/CISTI49556.2020.9141106

Novo capítulo: Conceptualization of Hypersituation as Result of IoT in Education

Foi recentemente publicado o livro “Ludic, Co-design and Tools Supporting Smart Learning Ecosystems and Smart Education” editado por Óscar Mealha, Matthias Rehm e Traian Rebedea, o qual tem um capítulo meu em coautoria com os Professores Mário Vairinhos e Fernando Ramos intitulado “Conceptualization of Hypersituation as Result of IoT in Education”.

Este capítulo surge no seguimento do projeto PAprICa – Potenciar Aprendizagens com a Internet das Coisas onde se explorou o potencial das tecnologias de Internet das Coisas em contextos educativos, assim como formas de as utilizar como recurso didático.

Decorrente do uso de tecnologias de Internet das Coisas em contextos educativos, diversos autores têm indicado a “Hipersituação” como o seu principal potencial. No entanto, na literatura de especialidade este conceito ainda não estava explorado e conceptualmente definido, facto que motivou este capítulo. Decorrente da “Hipersituação” podem ocorrer “Experiências Hipersituadas” algo que é, ainda que sucintamente, descrito neste artigo onde também se indica potencialidades, desafios, e formas de o alcançar situações hipersituadas.

Boas leituras!

Citação completa do capítulo:

Moreira F.T., Vairinhos M., Ramos F. (2021) Conceptualization of Hypersituation as Result of IoT in Education. In: Mealha Ó., Rehm M., Rebedea T. (eds) Ludic, Co-design and Tools Supporting Smart Learning Ecosystems and Smart Education. Smart Innovation, Systems and Technologies, vol 197. Springer, Singapore. https://doi.org/10.1007/978-981-15-7383-5_6

O Dilema das Redes Sociais – o documentário

Imagem Netflix

A Netflix lançou hoje (9 de setembro de 2020) um documentário intitulado “O Dilema das Redes Sociais” que ao longo de cerca de uma hora e trinta minutos nos vai mostrando como as “redes sociais” evoluíram de algo que, à partida, seria positivo para algo que tem contribuído, à escala global, para, entre outros, a polarização das opiniões e comportamentos.

No decorrer do documentário vão surgindo diversos protagonistas que em determinado momento das suas vidas tiveram um papel fundamental na construção do que são hoje as diferentes “redes sociais”. Como seja o antigo presidente da Pinterest, da Facebook e também antigos responsáveis da Google. Surgem ainda engenheiros informáticos, designers e investigadores de relevo na área. Ou seja, todo o documentário tem contributos de indivíduos que conhecem o “sistema” por dentro ou que o estudam há vários anos. Aliás, este pode ser mesmo o grande estímulo para ver e rever este filme.

Todo o documentário vai-nos levando por diversas reflexões, mesmo sobre alguns aspetos que parecem óbvios, mas que antes de os vermos verbalizados parecem não figurar no consciente.

Continuar a ler O Dilema das Redes Sociais – o documentário

O corvo e raposa escrito pelo 5ºB do Colégio D. José I

Photo by Hannes Wolf on Unsplash

Partilho esta fábula criada, num exercício colaborativo, pela turma do 5.ºB (do ano letivo 2013/14) no Colégio D. José I, alunos que tive o gosto de lecionar e com os quais muito aprendi. Quanto à fábula, como em todas, a mensagem mantém-se atual.

Continuar a ler O corvo e raposa escrito pelo 5ºB do Colégio D. José I

Aprender música com o Chrome Music Lab

(Artigo originalmente publicado no blogue do Centro da Criança)

O Chrome Music Lab chegou até mim por mero acaso quando efetuava uma breve pesquisa sobre ferramentas online para Educação. No entanto, assim que experimentei tive alguma dificuldade em sair do website, dado o conjunto de funcionalidades divertidas e interessantes que este apresenta.

Este website, desenvolvido pela Google, permite aprender música de forma divertida e como os próprios autores afirmam, hands-on, que é como quem diz com as mãos na massa.

O website tem um design simples e atrativo, típico da Google. Além do descrito, presenteia-nos com outros aspetos positivos: a gratuitidade do serviço, a possibilidade de ser usado em todos os dispositivos (incluindo tablets e telemóveis) e o facto de ser de código aberto, permitindo a sua utilização no desenvolvimento de outros recursos digitais.

Continuar a ler Aprender música com o Chrome Music Lab

Homenagear os portugueses que morreram na 2.ª Guerra Mundial

(Artigo originalmente publicado no jornal Diário da Feira a 2 de setembro de 2020)

Imagem retirada de newsmuseum.pt

Sempre estranhei o facto de Portugal não celebrar oficialmente o Dia da Vitória (8 de maio e 9 de maio nos países de leste da Europa), o dia em que a Segunda Guerra Mundial terminou na Europa (na Ásia só terminaria oficialmente a 2 de setembro do mesmo ano).

É evidente que no período da ditadura tal seria impensável. Isto porque, apesar da neutralidade assumida e da histórica relação com Inglaterra, não podemos ignorar a proximidade do regime de Salazar com o regime de Hitler. Esta simpatia levou, entre outros, o regime a decretar luto nacional pela morte do “fuhrer” e, antes disso, a vender toneladas de volfrâmio no mercado paralelo aos alemães. Parte deste volfrâmio saía mesmo da nossa região e viria a estar na origem do ouro nazi que iria encher os cofres lusitanos, cuja proveniência e destino se tentou perceber durante anos. 

Ainda a respeito da neutralidade, importa referir que o regime sempre foi jogando para os dois lados, mesmo quando já se tinha conhecimento comprovado do Holocausto. Como provas temos o testemunho de dois fugidos de Auschwitz (Rudolf SVrba e Alfred Wetzler), mas também relatos de movimentos da própria Igreja Católica.

Avançando. Em democracia, não assinalar este dia com as devidas honras de Estado é ignorar as vítimas portuguesas na Segunda Grande Guerra. Na Europa, terão sido várias centenas os portugueses forçados a trabalhar nos campos nazis.

Continuar a ler Homenagear os portugueses que morreram na 2.ª Guerra Mundial

Alguns apontamentos sobre as aplicações móveis para controle da Covid-19

Photo by Markus Winkler on Unsplash

Após sucessivos atrasos e um parecer da Comissão de Proteção de Dados com algumas críticas, essencialmente no respeitante à possibilidade do comprometimento da privacidade dos utilizadores, foi finalmente disponibilizada a aplicação portuguesa de rastreio à Covid-19, designada por Stayaway Covid. Esta foi desenvolvida pelo INESC TEC em parceria com o Centro Nacional de Cibersegurança, com Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, a Keyruptive e a Ubiridere.

Embora o mote inicial para este artigo seja a aplicação portuguesa, que tem tido ampla divulgação nos media e nos órgãos institucionais públicos, a reflexão que aqui apresento é mais alargada e tentarei não tomar partido, até porque a aplicação é de uso voluntário. Porém, se esta se tornasse de uso obrigatório, aí, tomaria, evidentemente, uma posição, até porque em certos países onde o uso foi generalizado desde o início da pandemia, os resultados foram contraditórios.

Posto isto, apesar das preocupações com a proteção dos dados pessoais do utilizador serem as mais mediáticas, em teoria poderiam ser ultrapassadas. Isto porque a generalidade destas aplicações funciona de forma descentralizada, em que os dispositivos individuais dos utilizadores comunicam por Bluetooth. Ou seja, o utilizador instala a aplicação no seu telemóvel, cria uma conta e liga o Bluetooth. Assim que este passar por outro utilizador da aplicação, os dois telemóveis comunicam entre si e os dados ficam registados apenas nesses dispositivos móveis. Caso um destes utilizadores seja infetado com o vírus, todos os utilizadores que estiveram próximos deste receberão uma mensagem, aquando da entrada dos seus dados na aplicação.

Continuar a ler Alguns apontamentos sobre as aplicações móveis para controle da Covid-19