Coluna no jornal João Semana

A convite do histórico jornal ovarense “João Semana”, iniciei uma coluna dedicada à Educação. Partilho aqui o primeiro texto, publicado a 1 de julho, que foi dedicado à falta global de professores.

Falta de Professores à escala Global

A UNESCO (em português Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) tem vido a alertar ara a falta de professores à escala global. Naturalmente que esta falta se faz sentir mais numas regiões do que noutras. Todavia, num dos artigos mais recentes, a esta Organização das Nações Unidas afirma que em 2030 haverá a falta de 69 milhões de professores, somente para se alcançar o ensino básico universal. Ou seja, nestes valores não está contabilizada a fala de professores para outros níveis de ensino.

As regiões mais afetadas pela falta de professores são, respetivamente, a África Subsaariana e o Sul da Ásia. Salienta-se que nos países com baixos rendimentos, o primeiro obstáculo é a pesada carga de trabalho. De acordo com a UNESCO, cada professor dos primeiros anos de escolaridade nestes países tem uma média de 52 alunos por turma no ensino primário, enquanto a média mundial é de 26. O rácio é particularmente elevado na África Subsariana com 56 alunos por professor e no Sul da Ásia com 38. Na Europa e na América do Norte, o rácio é de apenas 15 alunos por professor, em média, sendo que em Portugal esta média é superior.

A par do número de alunos, outras causas para a falta de atratividade da profissão, nos países mais pobres, são a falta de condições de habitação para os professores deslocados, falta de condições materiais nas escolas, turmas com vários níveis e os baixos salários quando comparados com profissões que exigem formação idêntica.

Diferentes estudos parecem corroborar da ideia de que a falta de professores em países desenvolvidos tem, ainda que em escalas diferentes, as mesmas causas das elencadas para os países mais pobres. Portugal não é exceção. Por exemplo, atualmente estamos a formar cerca de 1500 professores por ano, mas deveríamos estar a formar cerca de 3500 para evitar uma crise da falta de docentes que se prevê vir a sentir com maior intensidade em 2030, estimando-se para esse ano a falta de 50 mil professores (dados de um estudo apoiado pelo Ministério da Educação).

A nível europeu vários países têm tentado medidas para minimizar o problema, mas parece haver uma falta de estratégia conjunta. Algumas medidas têm passado por aumentar o número de alunos por turma, integrar profissionais licenciados sem profissionalização (facto que tem revelado já resultados negativos, nomeadamente em Inglaterra e França). Ou seja, em última análise, a redução da qualidade do ensino.

Considerado a Educação como uma estratégia nacional (ou regional no caso europeu) e da centralidade dos professores em todos os sistemas de ensino, torna-se urgente um plano que vise a melhoria da atratividade da profissão (temos exemplos europeus onde isso acontece e os resultados estão à vista), que deverá ser acompanhada de outras medidas como a redução da burocracia e o reforço da qualidade do ensino a nível geral. Caso contrário, corremos o risco de ter profissionais com maiores níveis de formação, mas substancialmente menos preparados para fazer face às vicissitudes da vida.

Voltaremos, certamente, a este tema em rúbricas próximas.

Filipe T. Moreira
Professor do Ensino Superior Politécnico e Investigador no DigiMedia – Digital Media and Interaction Research Centre da Universidade de Aveiro

I Encontro Nacional de Educação Básica | 19 e 20 de outubro

Realiza-se a 19 e 20 de outubro o I Encontro Nacional de Educação Básica: Políticas, Desafios e Práticas Transformadoras na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto.

Toda a informação em: https://eneb64.wixsite.com/eneb/c%C3%B3pia-inscri%C3%A7%C3%B5es

Data limite para a submissão de propostas – 15 de junho de 2023
Cada participante, enquanto autor ou coautor, poderá submeter, no máximo, duas propostas de trabalhos.
A apresentação de trabalhos implica que, pelo menos, um dos autores esteja inscrito no Encontro.
Os resumos devem ser enquadrados num dos eixos temáticos do Encontro:

  • Avaliação das Aprendizagens;
  • Políticas Educativas, Desenvolvimento e Flexibilidade Curricular;
  • Diversidade e Educação Inclusiva;
  • Práticas Educativas, Didáticas Específicas e Inovação Pedagógica
  • Formação Docente e Diálogos disciplinares

Os resumos devem possuir, no máximo, 2000 carateres, incluindo espaços.
Plataforma de submissão de resumo: https://cmt3.research.microsoft.com/ENEB2023